EXPOSIÇÃO DAUZITOS – A ARTE A SERVIÇO DA INCLUSÃO

Que legal, pessoal!

MATDAU Blog  Exposição

 

Os Dauzitos estiveram presentes na 1ª Semana Estadual de Conscientização sobre a Síndrome de Down no Rio Grande do Sul com a Exposição Tirinhas do Dauzito – A arte a serviço da inclusão.  Foi muito bom! SÍMDROME DE DOWN DAUZITOS RS MENINOS

 

A arte é um instrumento muito importante para educação, quebra de barreiras, construção de possibilidades e pontes.

SÍMDROME DE DOWN DAUZITOS RS EXPOSIÇÃO

 

A brilhante ideia do nobre Eduardo Loureiro, criador da Lei que institui essa semana em todo o estado do Rio Grande do Sul é digna de ser imitada em todo o Brasil!

EXPOSIÇÃO TIRINHAS DO DAUZITO 14

 

Na ocasião, o autor dos Dauzitos, Elitan David, falou de como eles surgiram e dos objetivos do projeto.

SÍMDROME DE DOWN DAUZITOS RS DISCURSO ELITAN DAVID

 

 

 

Ficamos encantados com o trabalho de um grupo incrível de pessoas simplesmente maravilhosas que lutam com amor e afinco pela inclusão!

SÍMDROME DE DOWN DAUZITOS RS GENTE NPOTA 10

 

Convidamos a todos quantos puderem a participar desse evento excelente!
Haverá ainda muitos seminários e atividades sensacionais! Você não pode perder!

SÍMDROME DE DOWN DAUZITOS MOMENTO DE CARINHO

Você pode acessar a programação completa no www.facebook.com/SemanaConscientizacaoDown2017

Um forte abraço dos Dauzitos!

Mélanie Ségard, 21 Anos: Apresentadora Da Previsão Do Tempo, Na TV Francesa!

A RFI Brasil destacou, nesta terça-feira (14) “um conto de fadas que virou realidade”. Isso porque, “pela primeira vez na história do país, a previsão do tempo em um dos mais importantes canais da TV francesa — France 2 — será apresentada por uma jovem com Síndrome de Down. A experiência vai durar apenas uma noite, mas é uma grande conquista” de Mélanie Ségard.

Lei, na íntegra, a reportagem publicada:

Mélanie Ségard, de 21 anos, sempre sonhou em apresentar a previsão do tempo na televisão. Para provar que a Síndrome de Down não seria uma barreira e alertar sobre o preconceito, a federação Unapei — que reúne associações francesas de representação e defesa dos direitos das pessoas com deficiência mental e suas famílias — criou uma campanha intitulada “Mélanie peut le faire” (Mélanie é capaz, em tradução livre).

Uma página no Facebook, com um vídeo e fotos da jovem, foi criada para explicar o objetivo da campanha. A plataforma informava que se obtivesse 100 mil curtidas, Mélanie realizaria seu sonho, informa o sério Les Echos. O objetivo foi atingido em menos de uma semana, com mais de 200 mil curtidas, e a jovem apresenta na noite desta terça-feira (14) a previsão do tempo, uma semana antes do Dia Internacional da Síndrome de Down, comemorado em 21 de março.

Vários canais de TV franceses se candidataram para dar espaço à apresentadora de um dia, mas a federação Unapei preferiu concentrar a campanha no canal público France 2, explica o jornal econômico. Les Echos lembra que a anomalia no cromossomo 21 afeta 65 mil pessoas na França.

Estrela por um dia

Le Figaro dedica uma página inteira à jovem. O jornal relata que ela pedia apoio para apresentar a previsão do tempo no dia 27 de março, mas a data teve de ser antecipada diante do sucesso midíatico da campanha, explica o jornal conservador. Além da apresentação, a vida da jovem, que é embaixadora da Federação Francesa de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência Mental há algum tempo, também será tema de uma reportagem que será transmitida nesta terça-feira nos jornais do canal France 2.

O diário Aujourd’hui en France revela que, para se preparar para esta “previsão do tempo solar”, Mélanie ensaiou com a apresentadora oficial do canal. A partir de amanhã, ela retorna a sua vida normal, nota Aujourd’hui en France, o que significa tomar o ônibus sozinha para ir trabalhar em um instituto de Meudon, onde mora na região parisiense. O jornal revela que a jovem já tem um novo sonho: ser maquiadora de estrelas na TV.

Pessoas com deficiência não interessam candidato

Aujourd’hui en France aproveita o sucesso de Mélanie para questionar o programa dos candidatos à eleição presidencial francesa para pessoas com deficiência. Os 12 milhões de franceses, isto é, 12% da população que têm algum tipo de deficiência ou têm algum deficiente na família, também votam. “E se eles fossem enfim ouvidos?”, pergunta o diário.

Um coletivo foi criado para pedir aos candidatos respostas claras às reivindicações desse público, como escolaridade, acesso ao trabalho e renda. Os organizadores, celebridades francesas como o cantor Grand Corps Malade, portador de deficiência física, lamentam que o tema ocupe apenas um minuto e dez segundos dos comícios dos candidatos na atual campanha.

Fonte: http://pontopm.com.br/portal/?p=14671

SÍNDROME DE DOWN E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA!

 

Ao abordar uma síndrome, nos referimos a um conjunto de características, que pode envolver diversos âmbitos:

  • Cromossômico;
  • Sensorial;
  • Comportamental;
  • Desenvolvimento.

No caso da síndrome de down, envolve todos os âmbitos acima citados, sendo que temos diversos níveis de comprometimento, além das possíveis comorbidades que podem vir associados ao quadro, lembrando que cada caso é único. Todos também apresentam habilidades e se faz necessário desconstruir rótulos e visar uma proposta inclusiva visualizando o aluno e não apenas o diagnóstico.

Devemos considerar a existência do comprometimento intelectual, o qual interfere na compreensão, consequentemente se faz necessário, ao contexto escolar proporcionar adaptações curriculares, condizentes as necessidades cogntivas de cada caso.

Muitas escolas e pais buscam oferecer uma inclusão de qualidade, mas não encontram orientações adequadas, as necessidades que vivenciam com seus alunos, pois não basta encontrar caminhos teóricos, pois a dificuldade encontra – se em articular com a prática.

Segue algumas sugestões que poderão qualificar a prática pedagógica e familiar:

Orientações para o ambiente FAMILIAR e ESCOLAR referente aos casos na educação infantil:

  • Estimular em todos os momentos de maneira lúdica, contextualizada e com recursos sensoriais ( visual, tátil, auditiva, gustative e olfativa );
  • Sugiro que explorem diversos espaços no ambiente familiar, escolar e social, proporcionar regras e limites, conforme os respectivos ambientes que estiver inserido;
  • Proporcionar momentos de diálogo, contação de histórias com o uso de imagens, música, esportes e expressão corporal;
  • Estimular as áreas do conhecimento: psicomotricidade, linguagem oral e escrita, raciocínio lógico matemático, habilidades sociais e atencionais, através de recursos audiovisuais;
  • O melhor momento de buscar acompanhamento terapêutico é quando se depara com o diagnóstico, nos setores, conforme as prioridades de cada caso, como por exemplo: fonoaudiologia, fisioterapeuta, psicopedagoga, terapeuta ocupacional, entre outros necessários.

Orientações para o ambiente FAMILIAR referente aos casos à partir do 1º ano do ensino fundamental:

  • Delegar responsabilidades para que possa obter compromissos com o estudo, como por exemplo: separar e guardar o seu material, organizar sua mochila, selecionar o conteúdo que deverá estudar para prova, etc…;
  • No momento das lições de casa orientá – lo de maneira que o conduza a pensar sobre a resposta sem transmitir a resposta correta e respeitando o seu ritmo de aprendizagem e principalmente no momento do registro;
  • Orientar que o momento de estudar para prova deverá ocorrer com antecedência, pois um dia antes não será o suficiente, mas se conseguir todos os dias separar ao menos trinta minutos e no máximo duas horas ao lado do filho (a). O mesmo irá conseguir memorizar e compreender o conteúdo com mais facilidade e o momento anterior a prova não se tornará um martírio para os pais e o respectivo filho;
  • Estimulá – lo através do elogio, mostrando que acredita em seu potencial e que é capaz de executar a respectiva tarefa com qualidade;
  • Proporcionar regras e limites, conforme o ambiente que estiver inserido;
  • No momento de leitura esteja ao seu lado e solicite que realize em voz alta, pois assim diminui a probabilidade em se distrair, mas é importante que esta leitura ocorra em pequenos trechos e após a mesma solicite que relate o que compreendeu, em seguida escreva da maneira que verbalizou, caso não tenha compreendido a pessoa que estiver acompanhando – o deverá ler o respectivo trecho e posteriormente solicitar que explique o que entendeu, desta forma poderá interpretar melhor o conteúdo.

Orientações para o ambiente ESCOLAR referente aos casos à partir do 1º ano do ensino fundamental:

  • Primeiro passo do educador é aplicar a avaliação diagnóstica em todos os alunos, independente de serem laudados, pois assim serão identificados os pré requisitos de aprendizagem, analisando os casos de inclusão, é primordial está estratégia para promover a adaptação curricular, sendo que a mesma será temática, conforme o conteúdo abordado em sala, mas será aplicado aos respectivos casos de maneira menos elabarada;
  • Orientá – lo durante a elaboração de sua atividade de maneira que o conduza a pensar sobre a resposta sem transmitir a resposta correta e respeitando o seu ritmo de aprendizagem e principalmente no momento do registro;
  • Sugiro que sente na frente para que possa focar mais atenção ( de preferência no centro da sala );
  • Sugiro o uso de material concreto e recursos audiovisuais, não apenas para os casos de inclusão, mas com certeza irá contribuir para os demais alunos;
  • Dependendo do resultado da avaliação diagnóstica pedagógica e das orientações dos profissionais que acompanham os casos de inclusão, sugiro que as avaliações sejam adaptadas e que possam ser aplicadas individualmente, e que respeitem o ritmo de execução de cada aluno;
  • Necessitam de atenção individualizada em sala de aula e principalmente no momento da execução das atividades propostas e no auxílio da compreensão das mesmas.

Espero ter contribuido com a prática pedagógica e familiar, estou à disposição para maiores esclarecimentos, em meu site terão acesso aos vídeos no canal aberto do youtube, se preferir obter mais conhecimento poderá se inscrever no canal fechado. Disponibilizo materiais exclusivos para assinantes, psicopedagogos e profissionais da educação que buscam supervisão e as escolas que contratam minha consultoria psicopedagógica. CONSULT – Consultoria Psicopedagógica Daniela Trigo. Contato 13 – 9962 52 962.

Fonte: http://danielatrigocoach.com.br/sindrome-de-down-e-a-educacao-inclusiva/